Equador rejeita expansão do aborto apesar de manifestantes violentos pró-aborto

vigiaieorai.com © 2017 - 2019

Todos os direitos reservados.

 

  • Vigiai e Orai

Equador rejeita expansão do aborto apesar de manifestantes violentos pró-aborto

O Equador rejeitou a expansão do aborto, apesar dos violentos manifestantes pró-aborto. A Assembleia Nacional equatoriana votou na terça-feira (17), a manutenção de proteções para bebês ainda por nascer, derrotando a legislação que permitiria o aborto em casos de estupro ou anormalidade fetal.

A proposta da legalização do aborto foi rejeitada pela maioria

O projeto de descriminalização do aborto não atingiu a margem exigida de 70 votos. Cinquenta e nove legisladores votaram contra a proposta, enquanto seis se abstiveram. Se tivesse conseguido os votos necessários, seria alterado o artigo 150 do código penal de 2014 do Equador, que estabelece penalidades para as mães que abortam deliberadamente ou permitem que outra pessoa aborte um feto. O código estabeleceu uma pena de prisão de até dois anos para os culpados. Nos casos que resultam na morte da mãe, a pena de prisão aumenta para 16 anos.


Atualmente, o aborto é permitido quando a vida ou a saúde da mãe está em risco ou no caso de estupro de uma mulher com deficiência mental. No Equador, todas as relações sexuais envolvendo meninas de 14 anos ou menos são consideradas estupro.


Grupo pró-aborto enfrenta a polícia

Após a votação na Assembleia Nacional, os defensores do aborto atacaram a polícia reunida fora do parlamento. As manifestantes, de maioria mulheres e jovens, atacaram barreiras de arame do lado de fora do prédio, a polícia respondeu com gás. Usando os lenços verdes agora típicos das forças pró-aborto na América do Sul, o grupo pró-aborto lançou insultos e pedras na polícia. Alguns lançaram tochas acesas no prédio do parlamento. Foram exibidos cartazes dizendo: "Meninas, não mães" e "Tire seus rosários de nossos ovários".


Grupo pró-vida também esteve presente ao lado de fora da assembleia

Cristãos se reuniram do lado de fora. Alguns seguravam cartazes dizendo: “Aborto: o novo massacre de inocentes” e “Se Deus me dá vida, por que você tira isso de mim?” Segundo a Reuters, Amparo Medina, da rede pró-vida do Equador, disse:


- “O que os legisladores têm O que se faz é respeitar os desejos do povo ”, acrescentando:“ É uma vitória para os nascituros que agora têm direito à vida.”


Na segunda-feira, os católicos se uniram aos cristãos evangélicos em oração para manter as restrições ao aborto. Já na semana passada, a conferência equatoriana de bispos católicos convocou a Assembléia Nacional para proteger a vida humana por nascer.


- “Por favor, não cometa o terrível erro de aprovar uma lei para legitimar o crime de aborto em mais quatro linhas: estupro, incesto, defeito fetal ou inseminação não consensual. Esteja ciente de que, se está no útero, é porque está vivo. Não condene a morte dos nascituros ”, disseram os bispos em comunicado.


Os bispos reiteraram o compromisso da Igreja de dar ajuda e aconselhar as futuras mães, afirmando que a Igreja quer que as mulheres grávidas saibam que "elas valem tanto que estamos lutando por suas vidas e pelo bebê que vive dentro delas".


O Centro de Promoção e Ação da Mulher, uma organização local da Federação Internacional de Paternidade Planejada do aborto, lamentou a votação, twittando na quarta-feira que os votos fracassados colocam em perigo a vida das mulheres. Antes da votação, líderes de algumas das principais denominações cristãs, incluindo a Igreja Evangélica Luterana e a Igreja Unida de Cristo, pediram aos legisladores que votassem no projeto, argumentando que o aborto não é mencionado na Bíblia.


#Equador #aborto #Próvida #DireitoDeViver